quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Últimas
do twitter

Economia

Tags: 

Caixa vai financiar produção agropecuária

Apenas para Goiás serão destinados R$ 400 milhões para safra 2013/14

sexta-feira, 16 de agosto de 2013 | Por: Editoria

Karine Rodrigues

Os produtores rurais têm uma nova opção de agente financeiro para custear a safra 2013/14, além da compra de animais e equipamentos para ampliar a produção. Mais de mil agências da Caixa Econômica Federal (CEF) já estão financiando o segmento rural, nas modalidades crédito de custeio e crédito investimento.

Ao todo serão destinados R$ 3,7 bilhões para custeio da produção agrícola, investimentos em máquinas e equipamentos, aquisições de animais e projetos de infraestrutura rural. De acordo com a CEF, para este ano, está prevista a aplicação de cerca de R$ 400 milhões no Estado, em operações de crédito rural. Mas o valor pode ser ampliado em caso de maior demanda.

A Caixa entrou no mercado para promover a aquisição de recursos de custeio não apenas de commodities, mas de culturas menos tradicionais como laranja, amendoim, girassol e outras mais comuns como feijão, trigo, sorgo, café e cana-de-açúcar. Na pecuária as atividades financiáveis são: bovinocultura de leite e de corte, suinocultura, avicultura, caprinocultura e ovinocultura. Para as operações de crédito de até R$ 300 mil, a Caixa tem um produto, chamado Custeio Fácil, que pode ser analisado na própria agência. Se for apresentada a documentação pelo cliente, a operação pode ser conluída no mesmo dia. A Caixa oferece ainda recursos para aquisição de máquinas e equipamentos novos, assim como para criar, ampliar e renovar lavouras e pastagens. E, ainda, aquisição de animais para cria, recria, engorda e de serviço. De início a Caixa atende produtores rurais e cooperativas.

Condições

As condições para aquisição dos recursos são as seguintes: para as operações estão disponíveis com prazo de até dois anos para custeio agrícola e de até um ano para custeio pecuário. As taxas de juros são de 5,5% ao ano. A proposta de crédito é analisada por intermédio da apresentação de um Orçamento Simplificado, Plano Simples ou Projeto Técnico, conforme o caso. Para ter acesso ao crédito, o cliente deve ser produtor rural, com experiência no ramo/atividade.

O produtor rural e presidente do Sindicato Rural de Joviânia, Johnny de Pádua, vê com bons olhos mais uma instituição financeira concorrendo com o Banco do Brasil, para oferecer crédito ao produtor. Pádua conta que este ano ele e outros produtores de Joviânia tiveram problemas porque foram para a feira de Rio Verde aproveitar as condições especiais oferecidas pelas empresas de máquinas e implementos, mas perderam a oportunidade.

De acordo com Pádua, eles procuraram o BB, mas não havia recursos para aquisição das máquinas. “Muitos produtores fizeram o pedido dos equipamentos e tiveram que cancelar por falta de recursos”, explica.

O vice-presidente institucional da Faeg, Bartolomeu Braz Pereira diz que é uma oportunidade interessante para os produtores, uma vez que a Caixa, já tem a experiência no no setor imobiliário, o que pode ser bom para a agropecuária. Pereira também diz que é interessante porque haverá uma competição saudável com o Banco do Brasil, que hoje está defasado em estrutura humana para operar os recursos destinados ao agronegócio, “setor onde as coisas acontecem muito rápido”, diz.

Pereira conta que no ano passado participou de um piloto de financiamento pela Caixa, em Goiatuba, cidade natal dele. A operação fluiu rápido e fácil. “A Faeg tem apresentado, nos eventos que participa, mais esta opção para o produtor. Esperamos que aquisição de recursos pela Caixa seja mais simples, menos burocrática e com menos reciprocidade”, enfatiza.